Calcular IMC

O Índice de Massa Corpórea, também conhecido como Índice de Quételet, foi desenvolvido no século XIX para avaliar o estado nutricional de um indivíduo e, assim, poder classificar seu estado de saúde quanto à redução ou ao excesso de peso. Se você deseja saber em qual categoria se encaixa, basta dividir seu peso (em quilogramas) pelo quadrado da sua altura (em metros). Mas qual é a vantagem em calcular o IMC?

Diagnóstico e intervenção precoce

O IMC é adotado pela Organização Mundial de Saúde como um indicador de estado nutricional, sobretudo em adultos, e é de imensa importância epidemiológica devido à facilidade de sua aplicação. A medida permite identificar transtornos nutricionais e ajuda a diagnosticar mais rapidamente fatores que expõem o paciente ao maior risco de doenças cardiovasculares, diabetes e síndrome metabólica, por exemplo, sem ser necessário qualquer exame laboratorial oneroso.

Valores de referência

Na comunidade científica, há debates quanto aos valores exatos de referência para o índice de massa corpórea, no entanto, convencionou-se que:

  • Baixo peso: IMC < 18,5 kg/m²;
  • Peso normal: IMC entre 18,5-24,9 kg/m²;
  • Sobrepeso: 25,0 a 29,9 kg/m²;
  • Obeso grau I: 30,0 a 34,9 kg/m²;
  • Obeso grau II: 35,0 a 39,9 kg/m²;
  • Obeso grau III: ≥ 40,0 kg/m².

Limitações

O principal problema é que a medida não leva em consideração a composição corporal. Um indivíduo, por exemplo, pode ter alto IMC se for muito musculoso, mas isso não indica que ele tenha mais riscos de complicações da obesidade do que o normal. Por isso, é interessante aliar o cálculo do IMC a outras medidas antropométricas, como a circunferência abdominal.